Início Educação Inep afirma: Enem não avalia itinerários formativos

Inep afirma: Enem não avalia itinerários formativos

17
Inep afirma Enem nao avalia itinerarios formativos

Debate sobre avaliação de itinerários formativos no Enem

Os itinerários formativos previstos na Política Nacional do Ensino Médio estão em discussão em relação à sua avaliação no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). Segundo Rubens Lacerda, diretor de Avaliação da Educação Básica do Inep, o Enem não seria o ambiente ideal para avaliar esses itinerários, pois isso poderia limitar a flexibilidade do currículo.

Lacerda argumenta que o Enem é um exame padronizado, o que dificulta a adaptação aos itinerários formativos. Ele sugere que as escolas, redes municipais e estaduais realizem suas próprias avaliações formativas em relação a essa parte do novo ensino médio, garantindo assim a flexibilidade proposta para o currículo.

Os itinerários formativos permitem que os estudantes aprofundem seus conhecimentos em áreas específicas, como matemáticas e ciências humanas. Atualmente, as escolas têm autonomia para escolher quais itinerários oferecerão aos alunos.

Diante desse cenário, Pedro Flexa Ribeiro, representante do Fórum Brasileiro da Educação Particular, propõe a inclusão de um segundo bloco de questões no Enem relacionadas às áreas de atuação profissional dos alunos, semelhante ao modelo de alguns vestibulares, como o da Unicamp. Essa sugestão visa proporcionar uma abordagem mais alinhada ao projeto de vida do aluno, considerando sua orientação profissional.

Jade Beatriz, presidente da União Brasileira dos Estudantes Secundaristas (UBES), destaca a importância de destinar mais horas do ensino médio para disciplinas básicas e cursos técnicos. Ela ressalta a necessidade de preparar os jovens para cursos subsequentes, qualificação profissional e inserção no mercado de trabalho.

Contudo, Jade Beatriz critica a falta de conexão dos itinerários formativos com a realidade do país, destacando que atualmente eles não estão alinhados com as necessidades do mercado e acabam prejudicando a formação básica dos estudantes.

Projeto de reforma do ensino médio em debate

O projeto de lei que prevê uma nova reforma do ensino médio foi aprovado pela Câmara dos Deputados em março e está em avaliação pela Comissão de Educação do Senado. A proposta estabelece uma carga horária de 2,4 mil horas para a formação geral básica, somando os três anos do ensino médio, e 1.800 horas para a formação técnica, de forma escalonada.

Os itinerários formativos terão uma carga mínima de 600 horas e serão compostos pelo aprofundamento nas áreas de conhecimento, com ênfases em linguagens e suas tecnologias, matemática e suas tecnologias, ciências da natureza e suas tecnologias, ciências humanas e sociais aplicadas, e formação técnica e profissional.

Essa proposta representa uma alternativa do governo à reforma do ensino médio estabelecida em 2017, que previa 1,8 mil horas para a formação básica e 1,2 mil horas para os itinerários formativos.

Voltar à Página Inicial

Categorias

Artigos relacionados

Greve em universidades e institutos federais ultimas atualizacoes

Greve em universidades e institutos federais: últimas atualizações

Continuidade da Greve nas Universidades e Institutos Federais As universidades e institutos...

Oito em cada dez professores pensaram em abandonar a carreira

Insatisfação da comunidade escolar com uso obrigatório de plataforma digital

Limitações e Pressões no Uso de Plataformas Digitais na Rede Pública de...

Pe de Meia R2milano para Alunos Carentes

Inscrições Enem 2024 abrem segunda-feira, dia 27 – Não perca!

Prazo de Inscrição e Pagamento da Taxa O período de inscrição para...

Participantes no CadUnico de Roraima se beneficiarao do Pe de Meia confira

Participantes no CadÚnico de Roraima se beneficiarão do Pé-de-Meia confira como!

O Programa Pé-de-Meia em Roraima Na cerimônia de adesão do estado de...